Investidor anjo: uma bênção para os empreendedores

Tempo de leitura: 8 minutos
Tema(s): Contabilidade Online
Investidor anjo

Imagine se um anjo passasse na sua vida e te desse 200 mil reais. Sim, essa bênção pode acontecer! Estamos falando do investidor anjo, pessoa que está disposta a ajudar financeiramente uma empresa que está começando.  What?!

É isso mesmo! Ou você pensava que a única forma de conseguir capital para o seu negócio era através de empréstimo em banco? Como explicamos no artigo Conheça as principais modalidades de empréstimo para você expandir a sua empresa, essa deve ser a sua última opção e pense bem antes de escolhê-la, para não ficar refém dos elevados juros cobrados pelas instituições bancárias.

Está gostando? Então continue com a gente para aprender mais sobre:

O que é investidor anjo

Basicamente, trata-se de um empresário ou empresária, um executivo ou executiva ou outro tipo de profissional que já trilhou uma carreira de sucesso e decidiu dedicar o seu tempo, a sua expertise e parte do seu patrimônio (entre 5 a 10%) para apoiar startups, empresas inovadoras que estão em fase de nascimento.

Nesse sentido, negócios locais e mais tradicionais, como lojas, padarias e prestadores de serviços normalmente não atraem o interesse desses investidores.

Da mesma forma que um empreendedor tem que se capacitar, um investidor de primeira viagem também. Existem vários cursos que ensinam como investir. Isso porque ser investidor anjo é um negócio de altíssimo risco, já que não há garantias de que o dinheiro aportado irá retornar.

Existem perfis de investidores que são mais ativos dentro da empresa e aqueles que só querem capitalizar o investimento. Mas no geral, o investidor anjo sonha e constrói junto com o empreendedor, uma vez que  ele entra em um momento extremamente inicial e confia no empreendedor e na sua ideia de negócio, mesmo sem ter garantia alguma de que essa aventura vai dar certo.

Dessa forma, o investidor anjo entrega muito mais do que o dinheiro. Normalmente ele também atua como um mentor, um parceiro, orientando os novos empreendedores e ajudando-os a identificar problemas no projeto e oportunidades de negócio.

Grandes empresas como Apple, Google e Buscapé receberam ajuda de investidores anjo antes de se tornarem o que são hoje.

Segundo a revista Exame,  em 2016 havia aproximadamente 7.260 investidores anjo no Brasil e em média o valor aportado varia entre R$ 50 mil e R$ 500 mil, podendo chegar até R$ 1 milhão.

Investidor anjo é um sócio?

Não. No início de 2017, entrou em vigor a Lei Complementar 155/2016, que estabelece as regras de funcionamento do investimento anjo. Segundo essa lei, o investidor anjo não se torna sócio da empresa, pois há distinção entre investimento anjo e participação societária.

Isso representa uma garantia tanto para o empreendedor, como para o investidor. Para o empreendedor, porque lhe é garantido o controle societário e o seu negócio fica resguardado de ser gerido pelo investidor. E para o investidor anjo, porque  uma vez que não é sócio, não é responsável pelas obrigações legais do empreendimento.

Outra grande vantagem que a Lei traz é estipular que o investimento anjo não mais desenquadra a empresa do Simples Nacional. Isso significa que o dinheiro aportado pelo investidor não impede a empresa de continuar usufruindo dos benefícios do Simples, como impostos reduzidos e simplificação tributária.

No Brasil, o investimento anjo ainda não é tão difundido como em outros países, mas a chegada da Lei Complementar 155/2016 representa um grande incentivo para que essa prática se torne mais comum por aqui.

Quais critérios o investidor anjo analisa para apoiar um empreendedor?

Investidor anjo

Como falamos anteriormente, cada investidor possui um perfil, mas no geral eles avaliam as seguintes características do empreendedor:

  • equipe: Mais do que a ideia, o fator mais importante analisado pelo investidor anjo são as pessoas que estão por trás daquela ideia, a equipe e o seu poder de execução. Isto porque uma ideia excelente na mão de uma equipe ruim não vai pra frente. Em compensação, uma ideia ruim na mão de uma boa equipe pode ser modificada, adaptada, reavaliada, até dar certo.
  • inteligência: não no sentido de intelectualidade, mas sim de pensar rápido, saber improvisar, ser flexível, já que o plano de negócios nunca vai funcionar exatamente da forma como foi planejado.
  • entusiasmo: o empreendedor tem que convencer todo mundo de que a sua ideia é muito boa e viável. E tem que convencer não apenas o investidor, mas principalmente a equipe que ele pretende formar, principalmente se não tiver recursos para remunerá-la inicialmente. Afinal, sem dinheiro logo no início, as pessoas somente vão querer trabalhar nesse projeto se acreditarem nele.

Principais passos para conseguir um investidor anjo

  1. Descubra o seu propósito, antes de tudo – Ao invés de estar preocupado somente em ganhar dinheiro, pergunte-se qual é a sua paixão, aquilo pelo qual realmente você está disposto a dedicar grande parte da sua vida. Dessa forma, você terá mais segurança para conquistar o investidor, para convencê-lo a embarcar no seu sonho.
  2. Tenha mais do que uma ideia milionária – O investidor anjo avalia dois parâmetros: o risco de investir e o retorno esperado daquele projeto. Mostre que a sua ideia é inovadora e tem consistência. Saiba claramente qual é o tripé PROBLEMA- SOLUÇÃO – MODELO DE NEGÓCIO. Ou seja, entenda qual é o problema que você pretende solucionar, como o seu produto ou serviço irá resolver esse problema e como você vai monetizar o seu modelo de negócio.  O CANVAS é uma ferramenta que ajuda bastante na identificação desses pontos e na construção do modelo de negócios (veja mais explicações sobre ele no site do SEBRAE). Quanto mais maduro estiver um projeto, quanto mais você demonstrar que ele será aceito pelas pessoas e terá clientes pagantes, maiores as chances de receber um investimento e de o mesmo dar certo.
  3. Defina a sua equipe – Busque pessoas com experiência, com perfis complementares ao seu e que realmente estejam dispostas e engajadas em fazer o negócio acontecer. Esse é um fator super decisivo para o investidor anjo, pois como já dissemos, ele avalia muito a capacidade de execução da equipe envolvida.
  4. Analise qual é a necessidade desse investimento – Antes de buscar o investidor anjo, tenha claro para quê você precisa do dinheiro. Quanto você espera faturar? Quanto vai ter que gastar e em quê vai gastar? Ter essas respostas na ponta da língua é fundamental para você dizer para o investidor qual é a quantia que ele precisará aportar.
  5. Conheça o anjo – Pesquise as suas áreas de interesse, qual é o seu perfil, a sua faixa de investimento, como ele pode contribuir para o sucesso do seu empreendimento. Normalmente os investidores anjo apóiam empresas que estejam próximas do seu raio de atuação e que atuem nas áreas onde eles já têm experiência e expertise.
  6. Prepare um bom pitch – Pitch é uma apresentação super breve, de 3 a 5 minutos, que tem como objeto despertar o interesse de possíveis investidores pelo seu negócio, vender seu peixe. Pode ser uma apresentação apenas oral, ou com o suporte de slides (no máximo, cinco). Para ter esse poder de síntese, é fundamental estar bem seguro do passo dois, que elencamos acima: ter claro qual é o problema que a sua empresa irá resolver, qual é a solução inovadora e o modelo de negócio. Se nesses breves minutos o possível investidor gostar do que ouviu, ele vai querer marcar outro encontro com você para aprofundar a conversa e te ouvir mais!

Investidor anjo se recusa a apoiar um empreendedor que já faliu antes?

Investidor anjo

Não, pelo contrário, o histórico de fracasso é olhado com bons olhos pelos investidores. Isso porque  se aprende muito com uma derrota. O xis da questão está na forma como o empreendedor lidou com a falência. O investidor irá avaliar se esse empreendedor agiu de forma digna e correta com os envolvidos, se teve a preocupação em manter uma conversa transparente com os investidores, colaboradores e demais  pessoas durante o processo de falência.

Portanto, não há problema em ter falido, desde que você tenha enfrentado o processo com dignidade e transparência.

Onde encontrar um investidor anjo

Antes de tudo, saiba que da mesma forma que você está buscando um investidor, o investidor pode estar buscando você.

Participe de eventos sobre empreendedorismo e inovação; busque pessoas bem sucedidas na sua cidade que atuem no mesmo ramo que você e peça orientações a elas;  converse com outras empresas que receberam esse tipo de incentivo, para entender melhor como foi essa experiência, enfim, se comunique sem medo e sem vergonha e construa o seu networking!

Há, ainda, eventos específicos que acontecem em algumas cidades do Brasil com o objetivo de promover rodadas de conversa entre empreendedores e investidores. Mas lembre-se de que você tem que estar bem preparado para apresentar o seu projeto de forma objetiva, segura e consistente, para provar que a sua ideia vale a pena. Ensaie bastante na frente do espelho.

Busque mais informações no portal Anjos do Brasil, organização sem fins lucrativos referência sobre o assunto no Brasil e que tem como propósito fazer a ponte entre investidores anjos e empreendedores.

Acesse também o portal da Gávea Angels, outra grande instituição privada sem  fins lucrativos, que também promove encontros entre investidores  e empresas nascentes. A Gavea Angels é presidida por Camila Farini, eleita pelo Startup Awards a melhor investidora anjo do Brasil, em 2016.

Por fim, devore o conteúdo da Endeavor, uma instituição que disponibiliza vários conteúdos gratuitos e que tem como missão “multiplicar o poder de transformação do empreendedor brasileiro”.

E se o negócio falir, vou ter que devolver todo o dinheiro para o investidor anjo?

Não. O investidor anjo, ao decidir apoiar um negócio, aceita correr o risco de esse  empreendimento não dar certo e de perder todo o capital aportado. Não é por acaso que  essa modalidade de apoio financeiro é de altíssimo risco para o investidor.

Mas porque, ainda assim, essa pessoa decide se arriscar tanto?

Porque é um anjo, ora bolas!

Brincadeiras à parte,  essa decisão é tomada pelos seguintes motivos:

Primeiro, pelo prazer de investir em uma ideia e pela expectativa de vê-la crescer. Segundo, pela possibilidade de receber de volta muito mais do que se investiu, caso a empresa realmente cresça. Esse retorno pode ocorrer através da venda da participação do investidor anjo ou, caso a empresa se transforme em uma S/A, o investidor pode converter a sua participação em ações. Ele ainda pode comprar a empresa, se os sócios decidirem vendê-la.

É importante mencionar que a Lei Complementar 155/2016 traz uma segurança ao investidor ao determinar que, caso a empresa seja cobrada por dívidas,  em especial fiscais e/ou trabalhistas, ele não terá nenhuma responsabilidade sobre elas.

Para encerrar…

investidor anjo

Lembre-se de que ideias na cabeça, sem execução, não valem nada, é só risco. O que importa é a ação, colocar a mão na massa, transformar a sua ideia em um produto que seja usado e pago por várias pessoas. Isso valida o seu negócio e mostra que a sua empresa é rentável.

Você tem que fazer com que o investidor pense: não posso perder a oportunidade de investir nesse projeto. E saiba que, da mesma forma que o empreendedor procura  investimento, o investidor procura o empreendedor.

Há muitos sonhadores e poucos empresários. Cabe a você decidir o que pretende ser de verdade. Já pensou se, no futuro, você tiver tanto sucesso como empresário e acabar se tornando um investidor anjo?

E não se esqueça, é sempre importante contar com o apoio de um contato para deixar tudo em ordem com as finanças da sua empresa.

E A Agilize está à disposição para te ajudar. Conte conosco para deixar a sua empresa 100% regular!

Esse conteúdo foi útil para você? Então compartilhe com os seus amigos!

Sobre a Agilize

Somos a primeira empresa de contabilidade online do Brasil. Transformamos seu MEI em ME e cuidados da contabilidade da sua empresa enquanto você fatura. Tudo online, de forma tranquila e segura.

Conte-nos o que achou!